quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Reencontro

       O reencontro foi ótimo o que não tá sendo muito bom é o clima,choveu muito nesses últimos dias e não dá pra fazer muita coisa.Também não estou de férias,o que me faz perder preciosas horas longe do Johan.Mas estou feliz por tê-lo aqui comigo,feliz mesmo!
      Os preparativos para o Natal estão daquele jeito...aqui em casa ninguém é muito ligado a decoração,árvore e troca de presentes,costumamos apenas nos reunir para um churrasquinho que só sai de última hora.
      Vou trabalhar a noite inteira do dia 25/12 pra quebrar o galho do hotel mas já deixei bem claro,que noivo,pai,mãe e irmão estão vindo junto,já que sozinha a noite inteira eu não fico! A boa notícia é que folgo 26,27,28,29,30,31,1 e 2 (dia da despedida,aguenta coração!), e segunda-feira o Johan e eu vamos pra Curitiba e talvez Foz do Iguaçu se der tempo.Voltamos dia 31 pra passar o Ano Novo com  a família e curtir os últimos momentos juntos dessa temporada.
      Sabe uma coisa que me deixou super feliz? Eu já sabia que meu noivo gostava de Belo Horizonte, mas dessa vez ele disse muitas vezes: "Eu gostaria de morar em BH.", "Quero muito um apartamento em BH", "A vida aqui no Brasil é tão gostosa" , "Dá vontade de nem voltar mais para a Suécia"...  então eu disse: "Será que você deveria dar entrada no visto para morar no Brasil?" e pensamos que talvez no futuro, quando ele tiver terminado os estudos podemos morar em BH ou no mínimo comprarmos uma casa de férias por aqui! Ele disse que gosta do nosso estilo de vida , principalmente das pessoas,do nosso clima,e é como se no Brasil ele pudesse ser mais espontâneo, na Suécia é quase uma regra ser alguém mais "reservado" ou lagom.
      É bom saber que ele se identifica com a minha cultura assim como eu com a dele,e que aos poucos os nossos choques culturais vão ficando cada vez menores.
     Mudando de assunto, já visitamos alguns salões para a celebração do nosso casamento mas ainda não decidimos qual, fomos ao casamento de 2 amigas minhas e tivemos algumas ideias do quê servir,que tipo de comida e já sabemos que queremos uma mesa repleta de trufas de chocolate!
     Tive a oportunidade de apresentar o Johan para o pessoal da igreja de outras cidades e estados e claro todos gostaram muito dele e ele se deu muito bem com todos também.Estou alegre com isso, pois amo ser parte da minha igreja,somos como uma família e mesmo na Suécia quero continuar sendo membra e é bom saber que esses queridos vão me  dar suporte,e que através da minha vida a obra estará presente em mais um lugar.
     Com relação ao visto,todos os documentos já foram enviados para o Migrationsverket e agora é só aguardar a resposta!

     Que Deus me acompanhe nessa caminhada!

Boas festas para vocês, queridos leitores!
 
       

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Que o amanhã chegue logo

   Amanhã o Johan chega, que felicidade!O coração está batendo mais forte,as pernas estão tremendo,estou com frio na barriga e borboletas no estômago ao mesmo tempo!!!
   Depois de quase 4 meses separados mais um reencontro para dar força até Junho de 2012,quando essa distância finalmente vai dar um tempo no nosso relacionamento.
   Estou alegre,nervosa,preocupada,eufórica,ansiosa,tensa, com vontade de gritar,AHHHHHHHHHH, estou muito feliz!Depois de 1 ano e 9 o Johan volta a Minas, vai passar o Natal e o Ano Novo comigo e quando voltar para a Suécia já vai começar a mudança para o nosso apartamento e eu infelizmente não poderei estar lá para ajudar,mas confio no bom gosto dele e espero que ele realmente tenha um bom gosto,rsrs.
    Como já tinha dito, fiz minha entrevista no Consulado Sueco do Rio de Janeiro no dia 08 de Novembro, foi muito tranquilo, tranquilo até demais pois quase não me perguntaram nada, além do nome,idade e profissão da família do Johan.Espero que dê tudo certo e que possamos receber a resposta o quanto antes.
    No trabalho as coisas vão bem,mas é tanta coisa para fazer,problemas para solucionar,que fico muito cansada e não tenho ânimo de vir aqui no blog e atualizar.
    Fui escolhida como a Funcionária do Mês!Mas ainda não sei qual será minha recompensa,se me perguntarem vou escolher um par de patins que estou querendo comprar desde o Natal do ano passado,mas acaba ficando sempre como 2º plano.
    Por hoje é só, mas volto para contar como foi o reencontro!

Abraços

sábado, 5 de novembro de 2011

Algumas coisinhas que me esqueci de dizer e outras que não tive tempo de escrever

       Olá!
       Será que alguém ainda passa por aqui?rsrs
       Bom,hoje eu quero escrever sobre algumas coisinhas que sempre quis postar mas nunca dava tempo então vamos lá:

      1- Nas minhas férias de Junho na Suécia visitei o Gröna Lund, que é um parque de diversões maravilhoso localizado em Estocolmo.Antes de ver os brinquedos eu até pensei que teria coragem o suficiente para experimentas os mais loucos, mas não deu gente!Confesso amarelei!
      Mas tive coragem de entrar na Spöke Huset, que seria uma espécie de casa assombrada.Esperando na fila, vi um dos fantasmas que fica na saída fazendo um gesto nada sueco e para minha surpresa, minhas suspeitas estavam certas...O monstro era brasileiro! Na saída da Spöke Huset eu disse para o monstro (que até então, eu não tinha certeza que era brasileiro):
     Eu: Olá
     Monstros: Olá
     Eu: Como vai?
     Monstro: Muito bem e você?
     Eu: Monstro você é brasileiro?
     Monstro: Simmmm! Do Rio de Janeiro!

 2- Você aceita NEGERBOLL? Não!!!!! Eu aceito CHOKLADBOLL!!!
 
 
Para quem já foi a Suécia sabe que essas bolinhas de chocolate além de serem deliciosas são super populares na Suécia.E para quem mora aí também deve saber que quem diz "NEGERBOLL"(bola negra) é considerado racista!E o Johan me disse que alguns comércios já pagaram até multa por deixarem no cardápio o nome NEGERBOLL.Eu ainda não entendi e nem me convenci de fato que chamar aquelas gostosuras de Bola Negra seja racismo, mas só uso a palavra NEGERBOLL quando quero deixar meu noivo chocado e sempre funciona!

      3- Após o fim da greve dos correios, finalmente minha papelada chegou no Consulado Sueco do Rio de Janeiro e minha entrevista está marcada para o dia 08/11! Isso mesmo, amanhã a noite estou indo para o Rio junto com a minha irmã.A entrevista só será na terça mas quero curtir a cidade um pouquinho,só volta pra casa na quarta-feira a tarde!
 
     4- O Johan está chegando dia 30/11!!!Não preciso nem dizer o quanto estou feliz por isto né?

    5- Já olhei alguns lugares para celebrar o nosso casamento no ano que vem, mas ainda não me decidi por nenhum e também ainda não encontrei aquele vestido e nem sei o que servir para os convidados.... DICAS POR FAVOR!

  Por hoje é só!Bom final de semana para todos vocês!

Abraços


   

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Declarações de amor

     Existe um monte de coisas que quero deixar registrada aqui neste blog,mas acaba que com essa correria do trabalho sempre vou deixando para depois e daí quando tenho um tempinho não encontro as palavras e quando tenho as palavras me falta o tempo...
     Esse post vai falar um pouco da pessoa especial que escolhi para dividir a minha vida e vai contar com a participação especial do Johan também!
     Quando eu tinha uns 15 anos ficava imaginando quem seria o meu companheiro,agora eu sei quem é/será e fico muito feliz em saber que não foi nenhum daqueles que eu pensava.As coisas aconteceram quando eu menos imaginava e olhem para mim agora: noiva e curtindo os últimos 8 meses de solteira!
     Acho que todo mundo já deve ter sofrido por amor e ter decidido que não iria amar de novo,de fato isso aconteceu comigo também,porém me sinto feliz por ter superado aqueles "traumas" e ter me permitido amar e ser amada novamente.
     Eu desejava ter alguém onde pudesse ser eu mesma dentro do relacionamento.Ser bem natural,sem precisar forçar a barra,sem ter que ficar me moldando o tempo todo,alguém que estivesse comigo não somente pelo que sou exteriormente,onde eu não precisasse ficar o tempo todo me preocupando com  meu reflexo no espelho  ou ficar deprê pois ganheis mais 5 quilos na balança...já fui assim,mas ter passado uns anos sozinha me ajudou bastante a me encontrar e encontrar alguém que estivesse com esse mesmo intuito.
    Jamais pensei que fosse encontrar esse alguém lá do outro lado do mundo...as pessoas costumam dizer que a pessoa certa pode estar bem debaixo do nosso nariz e eu agora começo a dizer que ela  também pode estar lá do outro lado do oceano,  por isso não desanime!Há sempre um par de chinelo velho para um pé cansado! ;)
 
Agora umas palavrinhas do meu lindo e querido Johan:


"From the first time we talked, I felt that there was something special about you and that I wanted to meet you in real life. When I met you at the airport I knew that I wanted you and that you were the most beautiful girl I ever met. The three weeks I spent in Brazil with you was magical and you took very good care of me and I knew that I had to go back as fast as I could. That was only the beginning of the long and strong love I feel for you. I love you more then I ever loved anyone, and I want to be with you forever. It's why I want to marry you. I will take care of you and give you as good life with me as I can. You are my queen. My amor. Thank you for be who you are, and thank you for be mine, my beautiful, wonderful Joseane. "
 
Kisses
 
/Your Johan

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Meme da Mike

01. Pegue o livro que está mais próximo de você,abra na página 18 e encontre a 4ª linha:


Se houver trinta eu perdoaria a cidade. (Bíblia Sagrada)

02.Estique seu braço esquerdo o mais longe que puder. O que você encontra?
Uma caneta.

03. Qual foi a última coisa que assistiu?
Um vídeo no Youtube sobre o inverno sueco.

04. Sem olhar o relógio, que horas você acha que são?
12:20
05. Agora, olhe no relógio. Que horas são?

12:17 – Quinta, 6 de outubro
06. Sem contar o barulho do computador, o que mais está ouvindo?
Barulho de carros e do ar condicionado.

07. Quando foi a última vez que saiu? Onde foi?
Hoje de manhã,para o trabalho.
08. Antes de começar esse questionário, o que estava fazendo?
Lendo blogs.
09. O que tá vestindo?
Meu uniforme de trabalho.
10. Você sonhou a noite passada?
Não me lembro.
11. Quando foi a última vez que você deu risada?
Hoje,conversando com meu noivo no telefone
12. O que acha da pessoa que te indicou este desafio
Uma gracinha de pessoa além de ser uma mulher forte e sincera com seus sentimentos.

13. Viu alguma coisa esquisita há pouco tempo?
Um rapaz subindo em um andaime sem nenhum equipamento de segurança.
14. Qual foi o último filme que você assistiu?
Cisne Negro
15. Se você se tornasse milionário da noite para o dia, o que compraria?
Duas casas,uma no Brasil de frente para a praia e outra em Estocolmo.
16. Uma coisa sobre você que eu não saiba:
Eu não tomo café.
17. Seu estado de espírito agora:
Calma
18. Se você pudesse ser qualquer mulher famosa, qual seria? (não vale dizer nenhuma):
Kate Middeleton
19. Imagine que seu primeiro filho seja uma menina, como a chamaria?
Hannah .
20. Imagine que seu primeiro filho seja um menino, como o chamaria?
Fernando.
21. Você pensa em morar fora?
Sim , em Junho de 2012 se Deus quiser.
22. O que você mais quer agora?
Comprar um Notebook
23. Qual a pessoa (s) mais importante na sua vida:
Deus,Johan,família/amigos
24. Qual seu sonho para curto prazo?
Meu casamento!!!!!

24. Indique para 5 blogs


Infelizmente não tenho 5 blogs para indicar mas fica aqui para quem quiser responder,será bom que eu poderei conhecer um pouco melhor as pessoas que passam por aqui.


Abraços





quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Diferenças

     Outro dia desses lendo esta reportagem no The Local,comecei a meditar nas diferenças de comportamento entre os diversos povos do mundo e na importância de respeitar  a cultura do outro e aquilo que é diferente do nosso costume.
     A família na reportagem acima,se sentiu discriminada pelo fato dos suecos mesmo a maioria falando bem inglês,não terem conversado com eles ou aceitado aquilo que nós chamamos de gentilezas urbanas.Começaram a se perguntar então,se isso era devido a cor,por não serem brancos,loiros...etc.
    Em alguns países vemos a comunidade local se interagindo com os turistas,coisa bem comum aqui no Brasil, não é minha gente?Mas não espere isso na Suécia e não leve a mal esse comportamento,não tem nada a ver com a cor da pele,cabelo ou de onde você é,se trata somente do jeito de ser dos suecos mesmo.
    Eu sou mineira e também não tenho o hábito de conversar com estranhos,e por quê?Meus pais sempre me ensinaram desde criança que isso não é seguro.Não tenho coragem de iniciar uma conversa com quem eu não conheço mas quando conversam comigo claro que não deixo o outro falando sozinho.Sou brasileira hein?E conheço muitas pessoas assim por aqui,então imagine se no Brasil muitos não falam com estranhos imaginem na Suécia onde as pessoas são muito mais tímidas e algumas precisam de um pouquinho de álcool para se soltar um pouco?
     Não é porque a maioria dos suecos falam inglês que se sentem confortáveis em fazer isso.E outra, a língua oficial do país é sueco e tenho certeza que eles se sentem orgulhosos disso.Nos hotéis, aeroportos e outros serviços tenho certeza que inglês não será o problema,mas não dá para que fazer do Inglês uma das línguas oficiais da Suécia né?
     Já comecei o meu treinamento para quando me mudar para a Suécia já está acostumada com algumas coisinhas:
   1-Dentro do ônibus lotado se estou sentada não me ofereço para carregar a bolsa de ninguém (apesar de escutar a voz da minha consciência dizendo durante todo percurso você deveria fazer isso e muitas vezes acabo não resistindo e me ofereço.)
   2-Não acho que as pessoas não são gentis quando elas não se oferecem para segurar minha bolsa também. (Lembrando que continuo cedendo meu lugar para as grávidas,pessoas com crianças de colo, idosos,deficientes físicos,e aí de mim se não fizer isso,pois jamais terei a sorte de algum deles dizerem para mim "Não,pode ficar." mesmo quando estou exausta depois de um dia cheio de trabalho.
   3-Coloco a mochila ou a bolsa no assento do lado no ônibus pois isso significa que não quero que ninguém se sente do meu lado.(só faço isso quando o ônibus está vazio,mas vi isso na Suécia mesmo com pessoas de pé,então me perguntava se a mochila também pagou a passagem,já que aqui em Bh ,uma vez um senhor que teve que pagar a passagem de uma melancia,hehe)
  4-Não cumprimento quem eu não conheço principalmente homens pois na maioria das vezes vocês já sabem...(exceções para algumas pessoas que não sei o nome mas às encontro com frequência.)
   Mudando um pouquinho de assunto,vocês vão encontrar alguns suecos atípicos e vão ficar meio que surpresos quando isso acontecer contigo.Agora vamos para a lista do aconteceu comigo:
   1- No voo da TAP de Estocolmo para Lisboa eu não quis comer uns biscoitinhos e adivinhem só? A sueca que estava do meu lado pediu para comer?????Tive que segurar o queixo para ele não cair.
   2- Uma das vizinhas dos meus sogros quando a encontrei pela primeira vez me deu um abraço super apertado,me beijou nos rosto e ficou apertando as minhas bochechas.E eu devo ter ficado com aquela cara "ela é mesmo sueca?"
   3-Na fila do caixa em um supermercado senti alguém tocar em meu cabelo,logo pensei que fosse minha cunhada mas era uma mulher totalmente desconhecida que elogiou e ainda perguntou se era de verdade!O mesmo aconteceu em uma festa mas dessa vez foi uma adolescente que o elogiou e começamos uma conversa informal sobre cabelo.
  4- Participei de uma festa onde precisei usar uma daquelas roupas tradicionais suecas (vou postar uma foto depois) e o laço da saia desamarrou e lá estava eu tentando fazer o laço do jeito certo quando uma gentil garota resolveu me ajudar sem eu pedir ajuda e não sei se teria coragem de pedir também....
  5-Alguns desconhecidos me cumprimentavam nas ruas mas isso só aconteceu em cidades pequenas, mas confesso que não esperava por isso.
  6-Estendia as mãos para cumprimentar alguns conhecidos mas eles me abraçavam,então já fiz minha lista de quem devo abraçar e quem devo só estender as mãos.
  7-Sabe aquela coisa de que se um sueco compra alguma coisa comestível não tem que oferecer para os amigos?Esqueci desse detalhe e ofereci um pedaço do meu hamburguer para o Kristian (amigo do Johan) e Kattis (minha cunhada) e sabe o que aconteceu?Eles aceitaram e não somente 1 vez mas várias e como o hamburguer era enorme não consegui comer tudo e o Kristian pegou todo o resto,mas o Johan disse que ele faz isso sempre,então toda regra tem exceção,tá?
    Se me lembrar de mais alguma coisa,posto aqui para vocês!
    
Abraços
     


 

  
   

domingo, 21 de agosto de 2011

Onde estão os Isaías?

     Muitos cristãos hoje são vistos como loucos.Nada que devemos nos preocupar,a palavra de Deus já nos havia alertado sobre isso.Portanto amados não vale a pena se aborrecer quando pessoas incrédulas vierem te tentar.
     É claro que existe um monte de falsas doutrinas por aí que ajudam e muito os verdadeiros cristãos a serem vistos como loucos,mas a Bíblia também já nos havia instruído que escândalos aconteceriam,mas ai daqueles que escandalizassem!
     O que não vale a pena é perdermos o grande privilégio que temos de sermos servos de Deus por causa dos outros,por medo do que vão pensar,do que vão falar...Deixe-os zombarem a vontade!Sabemos que o nosso maior galardão está guardado para o dia em que combatermos o bom combate,acabarmos a carreira e guardamos a fé.
     Não tenha vergonha de confessar o nome de Jesus,de declarar o seu amor a Deus,sabemos que o nosso Pai celestial se alegra de nossos esforços e sabemos também que a Obra do Senhor está carente de pessoas que sejam como Isaías e digam "Eis me aqui" (Is 6:8).A seara está branca mas são poucos os ceifeiros para trabalhar,existem muitas vidas perecendo a beira do caminho pois não há ninguém para levar as Boas Novas.
     Existem pessoas que não querem servir a Deus,por não acreditarem,por não aceitarem todos os ensinamentos ou por outras razões,e isso é uma escolha pessoal que devemos respeitar.Nada de entrar naquelas discussões sem fim que não nos levam a lugar algum,muitos precisam alcançar experiências particular com Deus para depois crer no seu imenso poder ou não,Deus não obriga ninguém a servi-lo."Eis que estou à porta e bato,Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele" (Apocalipse 3:19).
     A única coisa que precisamos fazer é a nossa parte.Já fez a sua?Então não se preocupe.Sede exemplo no seu falar,no seu agir e até mesmo no seu vestir,esses pequenos atos as vezes transmitem muito mais que 1000 palavras.Podem haver muitos olhando para a sua vida e dizendo: "Como este é diferente" e quando vão descobrir o segredo é brilho de Deus refletindo em você e quando você menos esperar já ganhou mais uma alma para Jesus sem dizer 1 palavra diretamente!
     Vamos continuar então a ser a luz do mundo e o sal da terra?


"Ide por todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura quem crer e for batizado será salvo,mas quem não crer será condenado"Marcos 16:15 e 16


      
     
      

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

E nada pode estar tão difícil que não possa ficar pior

      Vocês com certeza já conhecem a frase acima ,certo?Bom e é isso que está acontecendo no momento.Nada de apartamento em Upassala,menos ainda em Estocolmo e assim vamos ficando cada vez mais certos que vamos ter  que morar mesmo em Hudiksvall ,nada contra cidades pequenas mas convenhamos cidades maiores oferecem maiores oportunidades.Eu até que gostei mais das pessoas de cidades pequenas,são menos tímidas,mas com relação a emprego ,vocês já sabem né?
      Para piorar ainda mais a situação o curso  que o Johan escolheu para estudar na Universidade,informou que faltou algumas matérias que ele  não viu durante o Ginásio (como assim???ele passou a primavera inteira fazendo um curso para complementar os estudos indicado por uma funcionária da Komux (é esse o mesmo o nome?)e agora terá que fazer mais outro?)Isso significa mais alguns meses de estudo antes se entrar para a Universidade e finalmente poder mudar de área.
     Mudando totalmente de assunto,os Correios andam a passos de tartaruga e nada deu receber os documentos que o Johan me enviou a mais de 4 semanas :O
     Estou super ansiosa e ao contrário de quem ganha peso quando se encontra nessa situação eu não paro de perder e ninguém merece ficar com aquela aparência de desnutrida...
    Por hoje é só,abraços para vocês!

sábado, 6 de agosto de 2011

2 anos de namoro!

   E somente aniversário de 2 anos de namoro para me dar coragem de vir aqui no blog postar alguma coisa.Estou devendo algumas fotos e alguns detalhes da minha deliciosa férias na Suécia.Mas é que fiquei tão deprê quando voltei pra casa que só agora estou começando a acreditar que já estou mesmo de volta.
   Nesses 2 anos de relacionamento muita coisa aconteceu,nos tornamos mais próximos,aprendemos muito da cultura um do outro e aos poucos vamos aprendendo a melhor forma de ser feliz dentro desse relacionamento multicultural.
    Só posso dizer que me sinto feliz,apesar de toda  essa distância e tem que ter coração forte para fazer uma relação dessas ir pra frente.O Johan e eu nos perguntávamos se a medida que as despedidas fossem aumentando se iria ficar mais fácil dizer tchau e a resposta foi definitivamente NÃO!Só vai ficando cada vez mais difícil e é por isso que tomamos a decisão de nos amarrar de vez!Dos documentos que preciso para enviar para a Embaixada,só está faltando a tradução juramentada e receber a cópia do passaporte do Johan e personabis (é isso mesmo que chama?!)...pronto fazendo a entrevista e recebendo um sim já dá para acalmar os ânimos ou não porque já vem todos os preparativos de casamento que até os detalhes tem que ser pensado.
   Descobri que estou cada vez melhor no sueco e que já consigo entender muita coisa sem alguém ter que ficar traduzindo tudo o tempo todo.Já posso ouvir as palavras que conheço nas músicas e aos poucos as sílabas vão se juntando e fazendo sentido.Descobri também que tenho uma memória de elefante!Estive em Estocolmo em Janeiro mas em Junho já sabia encontrar praticamente tudo que visitei em Janeiro!Não me sinto tão perdida nas estações de trem e sabia onde descer oooh!!!Eu amaria morar em Estocolmo mas ô lugar difícil de conseguir apartamento,em Upssala já estamos a alguns meses na fila e nada de resposta positiva,imaginem na Capital,ninguém merece :(  taí uma das coisas que não gostei na Suécia,essa demora para conseguir apartamento.
  As fotos vão ficar para outro dia pois estou postando do trabalho,mas vou colocar algumas depois.
Abraços e bom final de semana!


     

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Achei a entrevista interessante e resolvi postar

Com rigor fiscal e inovação, Suécia propõe novo modelo

Autor(es): Humberto Saccomandi | De Brasília
Valor Econômico - 18/05/2011
 
 
Numa Europa atormentada pela crise financeira, a Suécia parece uma ilha da fantasia, com suas contas em ordem e forte crescimento. O segredo, relata o primeiro-ministro Fredrik Reinfeldt, é manter o país em constante e acelerada transformação, para se adaptar aos novos desafios globais. Além, claro, de uma rigorosa disciplina fiscal. "A Suécia fez a sua lição de casa."
Reinfeldt é duro com os países em crise na Europa. Diz que eles simplesmente não fizeram as reformas estruturais necessárias e sabidas. E/ou lidaram mal com a crise bancária. Mas isso não implica recusar mais ajuda a esses países. Pelo contrário, é do interesse da Europa socorrer os mais fracos. "Nós não damos dinheiro. Nós emprestamos", disse o premiê.
Líder do Partido Moderado, o economista Reinfeldt, de 46 anos, conseguiu uma proeza na Suécia: foi o primeiro premiê conservador que se reelegeu no pós-guerra. Para isso, ele liderou uma guinada para o centro e mesclou a disciplina fiscal com dois dogmas do tradicional modelo sueco social-democrata: a elevada taxação e a manutenção do Estado do bem-estar social. Com isso, diz ele, o eleitor de baixa renda agora poder votar na direita.
Reinfeldt esteve ontem com a presidente Dilma Rousseff, em Brasília, dando prosseguimento à Parceria Estratégica entre os dois países. Hoje ele participa, em São Paulo, de uma rodada de negócios na Fiesp focada em economia verde, um dos pontos fortes da inovadora economia sueca.
Em Brasília, Reinfeldt concedeu a seguinte entrevista ao Valor:
Valor: O que o sr. espera dessa visita e da parceria estratégica com o Brasil?
Fredrik Reinfeldt: Primeiro, eu vim com um amplo grupo de grandes empresas suecas e esperamos participar desse rápido crescimento que o Brasil está tendo. Isso interessa às nossas empresas, e acho que elas estão bem posicionadas para oferecer coisas de que o Brasil precisa.
O Brasil também está emergindo como uma potência mundial neste mundo multipolar, e isso nos interessa, pois temos visões em comum em muitos aspectos, como direitos humanos, multilateralismo e sustentabilidade.
Valor: O que o sr. dirá à presidente Dilma Rousseff sobre o Gripen [avião que concorre na licitação da FAB]? Por que o Brasil deveria comprar um caça sueco?
Reinfeldt: É uma boa proposta. O avião é mais barato que os demais e é de ótima qualidade. No fundo, é isso o que vocês precisam: não muito caro, alta qualidade e ser independentes.
Além disso, estamos fazendo outros esforços. A presença da indústria sueca no Brasil é muito forte, estamos aqui há mais de cem anos. Há mais de 220 subsidiárias de empresas suecas no Brasil. Claro que isso é parte das discussões e estamos colocando outras coisas.
Valor: Que coisas?
Reinfeldt: Acho que vocês querem que compremos outras coisas que são feitas no Brasil e que o avião seja construído no Brasil, gerando empregos aqui. Vou mencionar isso e esperamos uma boa decisão da presidente Dilma.
Valor: Suécia tem o principal programa de uso de etanol como combustível automotivo da Europa. Ele é um sucesso?
Reinfeldt: Depende de para quem você perguntar. Encontrar soluções renováveis é parte dos nossos esforços, pois estamos priorizando deixar os combustíveis fósseis. E avançamos muito nisso. Já cortamos pela metade nosso consumo de combustíveis fósseis e petróleo em relação a meados dos anos 70. E o etanol é parte disso. Eu mesmo tenho um carro a etanol. Acho ainda que é muito importante que nós sejamos abertos a comprar etanol do Brasil. Em toda a parte há essa pressão para comprar internamente ou comprar de lugares mais próximos, o que com frequência não é bom para o clima, pois é mais caro e não é produzido num ambiente mais eficiente, como aqui no Brasil.
Valor: Como o sr. reage às críticas de que o uso do etanol ajuda a aumentar o preço dos alimentos?
Reinfeldt: Ainda temos muita terra no mundo que não é usada ou que poderia ser usada de um modo mais produtivo. Acho que, se começarmos por aí, podemos ter tanto produção para etanol como para alimentos. E, se não tivermos o etanol, quais são as opções? Acabamos tendo de voltar aos combustíveis fósseis. Acho que podemos ter ambos, etanol e alimentos. Conversei com o presidente Lula sobre isso e sei que essa é também a posição do governo brasileiro.
Valor: Um dos pontos da Parceria Estratégica é o apoio a reformas nas instituições multilaterais. ASuécia poderia apoiar um não europeu para dirigir o FMI?
"Discutimos uma série de reformas que os países europeus precisavam fazer. E muitos simplesmente não fizeram"
Reinfeldt: Essa discussão deverá ocorrer. Acho que devemos refletir melhor o novo mundo de hoje. Sei que o velho arranjo de que o chefe do Banco Mundial venha dos EUA, e o do FMI, da Europa poderia ser discutido. A indicação de candidatos deveria ser mais aberta, até para encontrarmos a pessoa mais adequada. Sim, acho que deveremos ter essa discussão quando chegar a hora de indicar um novo diretor para o FMI.
Valor: Suécia tem uma dívida baixa, um orçamento equilibrado e crescimento forte. Qual é o segredo?
Reinfeldt: Em primeiro lugar, tivemos uma recuperação do nosso comércio. E acho que fizemos muitas coisas certas durante a crise financeira. Nós não cobrimos perdas dos bancos, não adotamos pacotes de estímulo que em geral têm impacto muito ineficiente, como fizeram muitos países. Nós adotamos medidas pontuais para sustentar a demanda interna e setores intensivos em trabalho. Como não gastamos muitos recursos, mantivemos as nossas finanças públicas em ordem. As perdas de empregos que tivemos foram rapidamente compensadas.
Acho que aprendemos, com a nossa própria crise bancária no começo dos anos 90, como controlar o setor bancário, dando mais transparência. Talvez por isso estávamos mais bem preparados do que outros países. Se você lidar de modo errado com uma crise bancária, facilmente acabará dobrando a dívida pública. É muito importante como você lida com seus bancos durante uma crise.
Valor: Por que alguns países europeus estão crescendo enquanto outros estão ficando para trás?
Reinfeldt: Eu acompanho a União Europeia há mais de uma década. Nesse período, nós discutimos uma série de reformas que os países europeus precisavam fazer. E muitos países simplesmente não fizeram essas reformas.
Valor: Que tipo de reformas?
Reinfeldt: Reformas estruturais, como do mercado de trabalho: incentivar os jovens a entrar rapidamente no mercado de trabalho e pessoas idosas a permanecer trabalhando, cortar os custos de burocracia para as empresas, reformar o sistema de bem-estar social para pressionar as pessoas que estão recebendo seguro-desemprego a voltar logo ao trabalho. Nós fizemos tudo isso na Suécia. Outros países preferiram não fazer nada. Mantiveram sistemas de aposentadoria que permitem às pessoas se aposentar aos 50 anos. Isso custa. Ao final, há pouca gente trabalhando, contribuindo, e muita gente querendo receber benefícios pagos com o dinheiro dos contribuintes.
Suécia tem ainda uma tradição de livre comércio, estamos acostumados a lidar com a competição internacional, estamos presentes em muitas partes do mundo. Outros países são mais fechados, mais focados internamente, não tão engajados no comércio como a Suécia. Isso agora agrava os problemas derivados da crise financeira. E ajuda a explicar porque temos muitos países com problemas na Europa.
Valor: Há uma insatisfação em alguns países europeus em relação à ajuda financeira aos países emcrise. Por que os países ricos da Europa estão relutando em ajudar os países mais pobres?
"Uma sociedade multiétnica é uma sociedade que estimula. Por isso, não negociamos com o partido xenófobo"
Reinfeldt: Para ser honesto, isso me intriga também. Vi isso recentemente na Finlândia, onde se dizia "por que temos de dar dinheiro a esses países?". Mas a verdade é que nós não damos dinheiro, nós emprestamos. E sob condições que na verdade são muito boas para os países que emprestam o dinheiro.
Nós participamos do pacote de ajuda à Letônia, e eles acabaram nem utilizando todos os recursos à disposição. O que esses países precisam é de um apoio para que se sintam mais seguros, para que possam reduzir os gastos com juros da dívida. Assim, a ajuda é um bom ato de solidariedade que não joga os custos para os contribuintes do seu país. Por isso me intriga [a posição de alguns países]. Vemos isso na Alemanha.
Além disso, é do nosso interesse não ter problemas na Grécia, por exemplo, pois isso afetaria o sistema bancário de outros países da região. É do nosso interesse ajudar esses países em crisea sair da situação em que estão. Isso é bom para a Europa, é bom para os países que estão com problemas e é bom para os países que emprestam dinheiro sob condições de mercado.
Valor: Há hoje um forte sentimento anti-imigração na Europa. Por quê? O sr. percebe isso na Suécia.
Reinfeldt: Concordo. Na Europa hoje há uma tendência de ascensão, em eleições, de partidos e movimentos que culpam os estrangeiros pelos problemas que temos. Há sinais de racismo contra pessoas de diferentes etnias ou religiões. O fato de elas serem diferentes as excluem do que eu quero no meu bairro.
Suécia é bem diferente. Não que não tenhamos esses problemas. Na verdade, um partido xenófobo entrou no Parlamento nas últimas eleições, com 5% dos votos, mas em muitos outros países esses partidos têm 15%. Não estou neglicenciando o fato de que temos isso na Suécia. Mas é importante dizer que a Suécia é um dos poucos países que estão indo na direção oposta, ao dizer que precisamos nos abrir. Aprovamos uma lei no ano passado que permite que pessoas de países vizinhos da Europa entrem na Suécia para trabalhar. Isso não era permitido antes.
Queremos manter nossa política de imigração aberta pois precisamos disso para o futuro. A nossa população está envelhecendo. Outras países europeus enfrentam esse problema, e não sei como pensam em resolvê-lo se eles fecharem suas fronteiras. Não nascem muitas crianças naEuropa, então precisamos de imigrantes.
Suécia é um país multiétnico, temos gente de todas as grandes religiões mundiais vivendo lado a lado. Mostramos que podemos fazer isso com tolerância e respeitando uns aos outros. Tem 400 mil muçulmanos na Suécia [numa população total de 9,2 milhões]. Temos judeus, católicos. Acho que os suecos gostam disso. Uma sociedade multiétnica é uma sociedade que estimula, que cria uma atmosfera muito aberta, muito criativa. Eu quero manter isso. Por isso, não negociamos com o partido xenófobo na Suécia. Outros governos na Europa deram a eles alguma influência. Eu preferi fazer o oposto: fiz um acordo com o Partido Verde, que é exatamente o oposto.
Valor: O seu país está no topo de vários rankings internacionais de desenvolvimento social e econômico. É fácil ser primeiro-ministro da Suécia?
Reinfeldt: [risos] Estamos numa situação melhor que a maioria dos outros países. Temos uma economia forte, crescimento bom, somos os primeiros no ranking de inovação do Fórum Econômico Mundial. Mas, para isso, fizemos a nossa lição de casa. Estou na política há 20 anos, e nós fomos um país em constante e rápida transformação nesses 20 anos. Isso deu resultados. Não somos um país parado, estamos constantemente mudando, nos adaptando aos novos desafios mundiais. Acho que, se não tivéssemos feito isso, não estaríamos na posição que estamos hoje.
Continuar a transformar um país, aprovar reformas, é fácil de fazer na teoria, mas é difícil ganhar eleições com isso. Meus críticos com frequência me dizem: "não faça isso, voltemos para onde estávamos antes". Eles questionam quase que todas as reformas que fazemos.
Valor: O sr. levou o seu partido da direita para o centro e conseguiu se eleger e reeleger. Para isso, o sr. aceitou as políticas de elevada taxação e do Estado de bem-estar social, dois legados da social-democracia sueca. Esse é o perfil da nova direita?
Reinfeldt: É definitivamente uma nova direita para a Suécia. O princípio básico para pequenas economias abertas, como a sueca, é ter as finanças públicas em ordem. Não podemos ter a carga fiscal dos EUA e os altos custos da Europa. Isso é impossível, e você tem de escolher. Eu acredito que temos de ter altos níveis de custos para altas ambições em termos de bem-estar social. Para isso, precisamos de impostos, para manter as contas em ordem. Se não fizermos isso, as forças de mercado vão pressionar enormemente a sua economia.
Levou uns 20 anos para sairmos da situação de crise que tínhamos no começo dos anos 90. Eu gostaria de ter impostos menores, mas só posso fazer isso se tiver um superávit ou se puder ver que, com o tempo, isso não criará um grande déficit. E isso depende muito de conseguirmos criar empregos e de reduzir os custos do desemprego, pois os muitos esquemas que temos dão recursos para pessoas que são capazes de trabalhar, mas que não estão trabalhando. Ao reduzirmos os custos, podemos reduzir os impostos. E, ao fazer isso, estamos adotando uma política inclusiva, em benefício de uma ampla parte da população, e não de uma pequena elite.
Fizemos uma reforma fiscal, que reduziu os impostos na linha do que Bill Clinton e Tony Blair fizeram, isto é, focando nas pessoas de renda mais baixa. Isso ajudou a criar essa nova direita. Pessoas de baixa renda agora votam no meu partido, pois estão ganhando mais quando trabalham, ao mesmo tempo em que veem que mantemos as finanças públicas em ordem e destinamos recursos para o bem-estar social.
Valor: São Paulo talvez seja a principal cidade industrial sueca no mundo. As pessoas não se preocupam na Suécia com o êxodo de empregos industriais?
Reinfeldt: Tivemos essa discussão, mas talvez numa escala menor que em outros países, pois não acreditávamos que poderíamos congelar a sociedade para manter a pessoa no emprego que ela sempre teve. Aprendemos que nossa economia pode criar muitos novos empregos.
Houve uma tremenda conversão na Suécia, de empregos industriais para empregos no setor de serviços. Em 1950, 45% dos trabalhadores estavam empregados na indústria. Agora são cerca de 17%. Tivemos uma rápida ascensão do setor de serviços, que hoje emprega cerca de 80%. Enquanto criarmos mais empregos no setor de serviços, que nos levem mais para cima na cadeia de valor, tudo bem.
Claro que houve reação na Suécia, muita ansiedade, especialmente nas pequenas cidades, fora dos grandes centros. As indústrias fechavam as portas, e as pessoas me perguntavam: por que você não protege aqueles empregos? Porque não éramos competitivos naquilo e tínhamos de fazer outras coisas. Mas isso gera tensão com os eleitores.
Valor: O sr. não teme que esses empregos mais high-tech, mais inovadores, também migrem para os países emergentes?
Reinfeldt: Temos de ter consciência desse risco, tanto de que os empregos migrem como de que tenhamos novas formas de competição. A China, por exemplo, está competindo em todo o mundo agora. Eles têm uma disponibilidade de mão de obra quase inesgotável e também formaram trabalhadores altamente qualificados. Enfrentamos uma nova competição. Por isso é importante saber como competir internacionalmente. Não há outro modo senão ter um sistema educacional melhor, gastar mais com pesquisa e desenvolvimento, ser mais inovadores, mas também tentar encontrar o tipo de emprego que é mais orientado ao setor de serviços.
Senão, você será levado à discussão, que está acontecendo em boa parte do mundo, de como se proteger, favorecendo os produtos nacionais e elevando tarifas e barreiras, que tornarão os pobres mais pobres. Isso seria um a pena, pois o mundo deu um salto enorme na redução da pobreza. Veja o Brasil, a China, a Índia. São fantásticas as oportunidades que temos hoje. Mas a questão está aí: os países permanecerão abertos? Eles ousarão continuar abertos e enfrentar a concorrência internacional?
Valor: Eles ousarão?
Reinfeldt: Não tenho certeza. Temos sinais contraditórios. Esta discussão está ocorrendo por toda a parte, até nos EUA e no Reino Unido, que tradicionalmente foram os bastiões do livre comércio. Na Europa, essa discussão está disseminada. Claro, queremos regras para que a competição seja aberta, mas justa. Há muita intervenção estatal no mundo, há muita corrupção, e isso naturalmente nos preocupa. Mas, pesando os riscos e os benefícios, a direção é muito auspiciosa. O mundo multipolar é um mundo melhor. Não é tão concentrado e cria condições nunca vistas antes para reduzir a pobreza.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

A viagem foi boa mas a despedida...

   Olá!

    Fiquei algumas semanas sem postar,mas esses 20 dias de férias passaram tão rápido,que acho que posso contar com a compreensão de vocês!
    O voo de Bh a Lisboa foi tranquilo,mas a fila da imigração estava tão grande que quase perdi minha conexão para Estocolmo,nos últimos minutos é que abriram uma fila prioritária e para ser sincera não gostei muito do atendimento em Portugal não.
    Ao chegar em Arlanda todos os passageiros latino-americanos estavam sendo barrados pelos policiais suecos.O policial olhou bem para mim e perguntou:  "Você sabe por que está sendo parada?" eu disse "Não" ele "Muitos colombianos,bolivianos,brasileiros,latino-americanos estão trazendo cocaína para a Suécia"  eu "Estou aqui somente para visitar meu namorado,aqui está a carta convite e cópia do passaporte dele".Foi o suficiente para me deixarem passar sem ter que revistar minha mala.Engraçado,param todos os latino-americanos mas se esquecem de que os próprios suecos podem estar trazendo nas malas cocaína também, pois se tem gente trazendo é porque tem gente usando,mas enfim...
    O Johan estava me esperando com um buquê de flores e um sorriso de orelha a orelha...Hora de matar a saudade!
     Foi diferente ver a Suécia sem neve,não vou dizer que estava quente,pois só senti calor mesmo em 3 dias de 20,hehe, mas como eu já imaginava 10°C já era motivo de festa.
     Ainda não falo sueco,mas não é que entendi muita coisa?Aos poucos as palavras que já conheço iam se juntando e formando frases e eu conseguia entender o contexto da conversa o que me deixou muito feliz!Claro que o Johan e eu ainda nos comunicamos  na maioria das vezes em inglês,mas aos poucos vamos migrando para sueco ou português e está sendo divertido essa troca,ele cisma que fala português sem sotaque,haha e eu tento imitar o sotaque do pessoal de Estocolmo porque nós achamos engraçado a forma que os mais jovens falam.
    Nesse verão conheci a maioria dos amigos do Johan e nos divertimos muito juntos,até cantar em um casamento eu cantei,mas em inglês,claro.
    E por falar em casamento,gostei muito do estilo de festa sueco,bem mais formal,mas foi divertido.Os noivos usaram roupas tradicionas suecas e muitos convidados também inclusive eu!Aprendi a dançar alguns tipos de danças tradicionais mas só me lembro do nome de uma Rambo...super divertido.
    Ainda sobre o casamento,2 coisinhas que achei engraçado e interessante: 1- sempre que os convidados querem que os noivos se beijem eles começam a fazer barulho com as taças ou na mesa. 2- Sempre que o noivo sai de perto da noiva todos os rapazes solteiros vão correndo beijar o rosto da noiva   e sempre que a noiva sai todas as moças solteiras beijam o rosto do noivo.Só me esqueci de perguntar o porquê desses atos,alguém sabe me dizer?
   Gente,eu estou noiva!Confesso que não sabia que na Suécia a aliança de noivado é usada do lado esquerdo,então quando cheguei no Brasil tive que trocar para o lado direito para não assustar a família e dizer que tinha voltado casada,hehe.
   Os meus sogros e cunhados são bem receptivos e calorosos.Sempre ouvi dizer que europeus são frios e secos,fico surpresa e tranquila em saber que isso não é regra,pois os suecos que tive mais contato são parecidos com os amigos e familiares que tenho aqui no Brasil.E para minha surpresa até mesmo alguns que eu nunca tinha visto na vida puxaram papo comigo,principalmente os mais velhos e por mais que eles não falassem bem inglês e eu menos sueco, nenhum de nós desistiu da conversa!Claro que isso aconteceu em cidades menores,já que em Estocolmo o pessoal parece mais tímido...
   Eu sabia que tinha data marcada para voltar para casa,o difícil é querer voltar quando queremos ficar.Claro que evitei pensar sobre isso,mas um dia antes de voltar pra casa bateu aquela deprê e o choro foi inevitável... Tentamos de todas as maneiras encontrar alguma solução que me permitisse ficar mais tempo,mas quando se tem obrigações com o trabalho não dá para ser irresponsável e jogar para tudo pro ar, se bem acho que valeria a pena fazer essa loucura...
   Não foi fácil dizer tchau então deixamos no ar aquele até logo.Claro que na noite anterior estávamos torcendo para  que algum vulcão entrasse em erupção,que o aeroporto ou a Tap estivesse em greve... mas não deu,já estou de volta a Belo Horizonte e ao Stress nosso de cada dia.
   A boa notícia é que já estou preenchendo o formulário para dar entrada no visto e preciso traduzir algumas coisinhas também,então logo logo espero fazer minha entrevista e receber um "SIM,SEJA BEM-VINDA A SUÉCIA!" se Deus quiser.
   Vou indo agora mas estarei visitando o blog de vocês e voltando com novidades assim que possível.

Abraços